Outros Casos de Estudo                    

 

Por limitações de agenda apenas 5 Casos de Estudo puderam ser seleccionados para a 9ª edição do SIAP. No entanto, dadas as muitas e excelentes candidaturas apresentadas, a organização elegeu os seguintes 15 como de especial interesse para os convidados presentes no evento. Um resumo de cada um deles e o respectivo contacto, está abaixo descrito:

 

1. AMA - Como é que as TIC nos podem ajudar a fazer mais com menos? – Caso prático de partilha de datacenter na Administração Pública

Em tempos de recuperação económica poderemos, eventualmente, questionar-nos mais vezes como “fazer mais com menos”, mas essa necessidade está e deve estar sempre no centro das estratégias de governance das TIC no seio da Administração. E existem diversos exemplos de sucesso, quer nos serviços partilhados TIC já disponíveis (ex.: gestão orçamental, gestão do sistema de avaliação SIADAP, plataforma de interoperabilidade, entre outros), quer na utilização das novas tecnologias para a co-produção de serviço público (ex.: “a minha rua”, onde são os próprios cidadãos a apontar ao seu município um qualquer candeeiro avariado ou um buraco no asfalto, não sendo necessário para tal um funcionário a verificar cada esquina e garantido apenas tarefas de valor acrescentado). Mas a governance das TIC não pode ignorar, também, a infra-estrutura que, ao longo das últimas décadas, levou à criação de múltiplos datacenters, das mais variadas dimensões, numa lógica de suporte directo às actividades de cada um dos organismos da Administração. Esta tendência continuou a verificar-se, mesmo depois de a evolução tecnológica ter permitido a disponibilização remota de infra-estruturas TIC, apesar da existência de datacenters de grande dimensão – criados, é certo, para darem suporte especificamente aos principais organismos dos ministérios com maior relevância – com capacidade para prestarem este tipo de serviços de forma transversal. No mesmo sentido, evoluiu, igualmente, a utilização de ferramentas de suporte a processos não específicos do negócio de cada organismo, levando à replicação de investimentos em software que poderia ser disponibilizado de forma centralizada e, logo, com menores custos para o Estado. Assim, partindo do princípio de fomento do aproveitamento da capacidade instalada na Administração pública, e tendo em conta a sua própria situação ao nível do alojamento das infra-estruturas tecnológicas de apoio à plataforma de interoperabilidade e à actividade das Lojas do Cidadão e Lojas da Empresa, a AMA procurou uma solução interna ao Estado para migrar e consolidar as suas infra-estruturas, até aqui alojadas em dois datacenters (um interno e outro subcontratado a uma empresa externa), tendo optado por fazê-lo para o datacenter do Instituto de Informática do Ministério das Finanças (IIMF). Esta opção permitirá aproveitar o excesso de capacidade das infra-estruturas tecnológicas do IIMF, através de partilha de recursos dos serviços públicos (equipamentos de segurança, rede, comunicações, refrigeração, energia, recursos humanos, etc.), reduzir significativamente os actuais custos de operação destas plataformas da AMA, bem como rentabilizar o investimento realizado pelo IIMF.

Gonçalo Caseiro

 

2. Câmara Municipal de Almada - Implementação de Rede Global de Comunicações

Implementação de Rede Global de Comunicações na Câmara Municipal de Almada

Manuel Vitória

 

3. Câmara Municipal de Matosinhos – Projecto SIMPLIFICAR-ME

Simplificação da vida ao Cidadão - Projecto multidisciplinar que envolveu a alteração de todo o atendimento da Câmara Municipal de Matosinhos, mapeamento de processos e reengenharia dos mesmos.

João Prudente

 

4. Câmara Municipal do Porto – A cidade mais perto de si

A evolução transversal nos últimos anos da C.M. do Porto, em particular, no que diz respeito aos serviços municipais, interacção com o cidadão, optimização de processos e sistemas de informação.

Serão apresentados:

- Historial/Evolução/Estratégia

- Indicadores dos investimentos e ganhos;

- Serviços inovadores implementados;

- Serão referidos alguns projectos inovadores como por exemplo: Balcão de Atendimento Virtual; Gestão Integrada de Contra-Ordenações; Licenciamento Urbanístico Digital e Portal do Executivo (referência mundial).  Mais info (PDF clique aqui)

Vítor Martins

 

5. CEGER – ISO 20000

No âmbito da estratégia definida pelo Governo no estabelecimento de um modelo de avaliação global que permite implementar uma cultura de gestão pública, baseada na responsabilização de dirigentes e outros trabalhadores relativamente à prossecução dos objectivos fixados, mediante a avaliação dos resultados e traduzida no SIADAP –– Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho da Administração Pública, assume uma importância estratégica dotar o CEGER de um Sistema de Qualidade na prestação de serviços de tecnologias de informação. O CEGER assumiu como um dos seus objectivos estratégicos a certificação na norma internacional ISO 20 000, de qualidade na prestação de serviços de Tecnologias de Informação e Comunicação.

Miguel Santos

 

6. DGRHE - Estratégia de negócio aliada aos sistemas de informação

Crise de 2004 relativa ao concurso de professores, foi completamente ultrapassada graças a uma melhoria na gestão empresarial, fundamentalmente em termos económicos e de recursos humanos, tirando enorme proveito das tecnologias de informação. Uma estratégia de negócio assente em 3 grandes pilares:

- Aposta clara nos canais de comunicação;

- Desenho de processos e inteligência de negócio;

-Plataforma de serviços de FrontOffice e BackOffice;

suportada por uma estratégia de sistemas de informação alinhada. Pensamento estratégico que obrigou a uma reorganização da Unidade de Tecnologias de informação e uma definição clara entre unidades funcionais e transversais.Ao longo dos 15 minutos, pretende-se mostrar como foi possível resolver enormes dilemas e mudar a imagem da DGRHE, mostrando a importância dos sistemas de informação.Finalmente, utilizando o BSC, mostramos como o cliente, a área financeira, os processos, os factores intrí¬nsecos (funcionários) ficaram a ganhar, de uma forma simples e eficaz.

José Lopes

 

7. Estradas de Portugal - Portal de Informação de Trânsito ao Utente e Gestão da Relação com o Utente

O Portal Estradas.pt (www.estradas.pt) é mais do que um simples Portal de Internet, dado que a implementação e visão é o de criar este Portal como a plataforma de Informação de Tráfego para os utentes da estrada (particulares ou empresariais), que no dia a dia utilizam a Rede Rodoviária Nacional. Esta será a porta central na relação bidireccional entre a estrada e os utentes, em particular ao ní¬vel de permitir ao próprio utente disponibilizar informações sobre a estrada à restante comunidade de utentes, como da própria estrada informar o utente de dados importantes de receber sobre a área onde se encontra ou onde se prevê encontrar. Esta plataforma está baseada num Sistema de Gestão de Conteúdos capaz de providenciar usabilidade independentemente do dispositivo, quer seja telemóvel, portátil, iPad, etc. Para além desta interacção directa com o utente, esta camada interage com as redes sociais da EP, nomeadamente Facebook, Twitter e Youtube. Adicionalmente é integrado o Estrada Livre - Serviço de Sugestões e Reclamações, com toda a gestão de relacionamento do CRM (Customer Relationship Management), o qual permite gerir todo o ciclo de gestão e interacções (workflows de processos) tidas com o utente, através do canal Internet do Portal Estradas.pt, ou através de outros canais de relação com o Utente, como telefone, Centros de Atendimento, email, carta, etc. Toda esta relação de pedidos consegue-se ainda integrar em visualização gráfica com o Sistema de Informação Geográfica Empresarial da EP para análise estatí¬stica de zonas de maior intensidade de sugestões e reclamações. Outros serviços estão actualmente em desenvolvimento, com a visão de colocar a informação certa no local certo, ao utente da estrada sempre que ele precisar. Esta será a essência base da plataforma futura da EP na construção do seu sistema inteligente de transportes.

Rui Ribeiro

 

8. Instituto de Informática - Principais vectores de sustentabilidade nas organizações de IT

O principal vector para a sustentabilidade das organizações de IT continua a ser a redução de custos operacionais. Esta redução exige a convergência de outros factores dos quais sobressaem, a nível tecnológico, a modernização/consolidação de Data Centers e virtualização; e ao nível dos métodos de trabalho, a adopção das metodologias ITIL/ISO 20.000. Apresentam-se resumidamente as principais iniciativas, dificuldades e resultados obtidos nestes domínios numa estrutura de IT de grande dimensão no quadro legal da AP. 

Mário José Madeira

 

9. Instituto de Meteorologia - Centro de Aplicação de Dados de Satélite, LSA SAF

A EUMETSAT, é organização europeia responsável pela exploração de sistemas de satélites para a Meteorologia.
Ainda que os sistemas de satélites da EUMETSAT tenham sido desenvolvidos para apoiar a Meteorologia, as características que foi possível incluir nestes sistemas no quadro do actual desenvolvimento tecnológico, permitem hoje dar resposta a muitas outras áreas de actividade. O conceito de rede SAF (Satellite Applications Facilities) foi da responsabilidade da EUMETSAT, com o objectivo de criar centros temáticos de excelência para o processamento de dados de satélite, distribuídos pelos países membros, capazes de desenvolver ou introduzir melhorias nos sistemas de observação remota. A rede SAF é constituída neste momento por 8 centros, cada um dedicado a uma área temática diferente. O Instituto de Meteorologia (IM) é a organização responsável pela Land Surface Analysis (LSA) SAF que processa, arquiva e distribui, em tempo quase real (NRT) e diferido (offline), um conjunto de produtos biofísicos para o solo, tais como, Temperatura do Solo (LST), Fluxos Descendentes de Radiação (DSSF e DSLF), Albedo (AL), parâmetros de vegetação (FVC, LAI, NDVI), potência dos incêndios florestais (FRP), entre outros. Ainda que estes produtos nem sempre se ajustem a todas as necessidades dos utilizadores, em particular em aplicações que necessitem de melhor resolução espacial do que aquela que pode ser proporcionada por satélites meteorológicos, a sua importância tem vindo a crescer, em particular nas áreas ligadas à monitorização do Ambiente, Agrometeorologia, Agricultura, ou Protecção Civil. Esta apresentação pretende mostrar, não apenas a informação operacionalmente distribuída pelo sistema LSA SAF e algumas das possibilidades na sua utilização, mas incidir em particular, na forma como foi possível desenvolver um sistema deste tipo no quadro de um serviçoincluído na administração pública, na capacidade de resposta que ele hoje revela, e o reforço que pôde oferecer à capacidade tecnológica nacional.

Luís Pessanha

 

10. ITIJ - A Governança dos Sistemas de Informação no contexto da Administração Pública

A Administração Pública tem especificidades que nem sempre facilitam a criação das condições adequadas a uma boa governança dos sistemas de informação. Pretende-se, nesta apresentação, mostrar quais os desafios que se colocam ao ITIJ para a prestação de inúmeros serviços orientados aos cidadãos e às empresas e como a sua governança foi endereçada numa procura de prestação de serviços de qualidade com redução de custos.

Zaida Chora

 

11. MAI (UTIS) – SMS Reboque

O SMS Reboque é um serviço de sms que permite obter a localização de uma viatura rebocada para os parques de recolha.

Carlos Gonçalves

 

12. MAI (UTIS) - O Crescimento Sustentado na Prestação de Seviços de IT

O Crescimento Sustentado na Prestação de Seviços de IT no MAI. Mais info (PDF clique aqui)

Francisco Baptista

 

13. Município de Oeiras – Arquivo Digital

Os arquivos municipais são sistemas de informação que têm de assegurar, de maneira eficiente e eficaz, a gestão de todo um conjunto de questões relacionadas com o tratamento, acesso, controlo e manuseamento, bem como, a pesquisa e difusão da informação que abrangem. Tendo por referência os constrangimentos do actual arquivo municipal face aos desafios emergentes, ou seja, a necessidade de superar a função que até aqui era atribuída, de mera guarda e salvaguarda do acervo documental dos serviços, para uma perspectiva de modernização e de gestão da informação/conhecimento organizacional e de melhoria na prestação dos serviços ao cidadão e na preservação da memória cultural colectiva, o Município de Oeiras implementou uma solução de forma a permitir dar um novo alento a esta área de intervenção municipal, transversal a todas as unidades orgânicas deste município.

Rui Várzea 

 

14. Município de Ourém  - A utilização de sistemas Open Source

No Município de Ourém, à semelhança de muitos outros municípios deste país, temos algumas restrições orçamentais. Por isso tomámos a decisão de investir mais em hardware do que em software. Assim, uma boa parte dos nossos sistemas informáticos foi construída com recurso a ferramentas Open Source e ao esforço da equipa da divisão de informática.

Sistema de Colaboração e Comunicação

1.            Email

Software utilizado: Zimbra Collaboration Suite (Open Source Edition)

Alguns dados:

a)            Cerca de 400 caixas de correio

b)            3 Domínios

c)            Mais de 4GB /dia

d)            Acesso via SMTP, POP3, IMAP e Webmail (AJAX)

e)            O Webmail tem uma interface muito parecida com a do MS Outlook 2003

f)             Excelente ferramenta de administração via browser ou linha de comandos

 

2.            Instant Messenger

Software Servidor: Jabberd 2 (com autenticação LDAP para o Active Directory)

Software Cliente: Soapbox 2.6

Algumas notas:

a)            Fácil de utilizar por parte dos utilizadores

b)            Muito bom para a troca de informação imediata (ex.: reporte de uma situação anómala)

 

3.            VOIP

Software Servidor: Elastix (Asterisk)

 

Sistema de Cache e Controlo de Acesso a Conteúdos (Proxy)

Software: Squid Proxy 2.6

Alguns dados:

a)            Autenticação transparente com Active Directory

b)            Bloqueio de sites impróprios (publicidade, pornografia, etc…)

c)            Bloqueio de conteúdos não necessário para o trabalho e que consumam o escasso recurso da largura de banda (video & audio streaming)

d)            Estatísticas de utilização (Webalizer+ SARG)

 

Sistema de Impressão (Printserver)

Software: CUPS + Samba

Algumas notas:

a)            Samba integrado no Domínio (AD)

b)            Gestão centralizada de todas as filas de impressão

c)            Estatísticas de utilização com phpPrintAnalizer

 

Sistema de Gestão de Parque Informático e Helpdesk

Software: GLPI

 

Algumas notas:

a)            Inventário de hardware e software

b)            Integração com Active Directory (LDAP) e email (SMTP)

c)            Histórico dos pedidos de suporte e respectivas soluções por utilizador e por máquina

d)            Estatísticas de utilização

 Publicação de Conteúdos

Software: Apache + PHP + MySQL + Joomla

 

Algumas notas:

a)            Fácil personalização dos sites, por meio de templates

b)            Grande quantidade de extras disponíveis, o que permite enriquecer de funcionalidades os sites

c)            Boa ferramenta de backoffice

 Virtualização

Software: Oracle Virtualbox

 

Alguns números:

a)            2 Máquinas físicas

b)            5 Máquinas virtuais com funções de relevo tais como: Domain Controller, WSUS, McAfee EPO Server

 Para além destes sistemas, no Município de Ourém ainda utilizamos o Cacti – para a monitorização da rede e do centro de dados (datacenter) – e o DigitArq para a gestão do Arquivo Municipal.

Nuno Gomes Carpentier

 

15. Turismo do Porto e Norte de Portugal, E.R : Lojas de Turismo interactivas – um novo conceito de Gestão e Promoção Turística

A actividade turística não se poderia desenvolver sem a promoção e a divulgação dos produtos e serviços turísticos. Promoção essa que tem como principal objectivo criar uma imagem atractiva e muitas vezes de sonho para o turista que não conhece o destino.

 

Ciente deste facto a Turismo de Porto e Norte de Portugal (TPNP) assume o seu desígnio de uma DMO, i.e, uma entidade com responsabilidade na gestão do destino turístico actuando sobre os produtos identificados pelo Turismo de Portugal, sua promoção e distribuição, em parceria com as autarquias e o sector privado alavancando o seu potencial de negócio, contribuindo para a dinamização económica da região em que actua e focando a sua actividade tendo por base os mercados - alvo do destino e o turista enquanto individuo consumidor do produto “Porto e Norte” gerindo o seu ciclo de vida com base na percepção dos seus desejos e preferências.

 

Nesse sentido foi propósito da TPNP liderar um projecto de novas lojas de turismo interactivas , de forma a facilitar o trabalho dos agentes turísticos, recorrendo às novas tecnologias, com especial ênfase nas seguintes áreas:

 

·         Sistema de Monitorização da Actividade Turística – Ferramentas de CRM

·         Diversificação dos Canais de Distribuição - Loja / Internet / Móvel – Ferramentas de B2B e B2c

o    Plataforma de promoção e distribuição de alojamento (booking system)

o    Plataforma de venda de bilhetes

o    Plataforma Móvel de acesso a conteúdos do portal – tecnologia BlueTooth

·         Divulgação interactiva de conteúdos – mesa multitouch interactivas, LCD interactivos, Soluções de realidade aumentada, conteúdos 3D

 

Este projecto tem como objectivo final dotar cada um dos 82 municípios que são parte integrante da Turismo do Porto e Norte de Portugal , de uma loja de turismo que permita não só a divulgação da oferta local mas também de toda a região, bem como dotar estas espaços da disponibilização de novos serviços aos turistas/visitantes que as procuram.

 

Este projecto já teve inicio com a inauguração da primeira loja de turismo interactivo em Espanha, Santiago de Compostela, em 28 de Janeiro de 2010 , estando previsto para este ano ainda a inauguração de um novo espaço no Aeroporto de Sá Carneiro – Porto.

João Paulo Sabino

 

 

 
 
 

 

Voltar

 

Actualização em 18 Out 2010